Movimento de Casais Jovens – MCJ

Desde o início do Movimento, procurou‐se dar ênfase especial a uma maior vivência do matrimônio. Descobriu‐se que, para viver intensamente a vida a dois, era necessário repartir esta vida, abrir suas janelas e deixar entrar o sopro do Espírito Santo, para vivificar a união. Apesar da simplicidade e do pouco conhecimento que todos tinham das coisas de Deus, procurou‐se viver o pouco que se tinha e abrir o coração. […]

O Movimento, pois, deseja atingir principalmente os casais jovens. Delimitou‐se em aceitar casais com até 10 anos de vida matrimonial, pois justamente nesta fase é que são vividas as primeiras crises, os primeiros desentendimentos, e se a vida do casal não for bem conduzida, pode se encaminhar até para um desfecho trágico: a separação.

O Movimento de Casais Jovens é um dos muitos movimentos do apostolado Laical, inspirados pela ação do Espírito Santo, dentro da Igreja, para atuar entre casais jovens. Segue a orientação do magistério da Igreja, sob a luz do Evangelho, tendo sempre a lembrança de Puebla quando diz que “Para uma renovada pastoral do laicato organizado, exige‐se vitalidade missionária para descobrir com iniciativa e coragem, novos campos para a ação evangelizadora da Igreja.”(Puebla, 630).

O Movimento de Casais Jovens pretende atuar:
1. No crescimento espiritual progressivo do casal.
2. Na vivência e no cultivo do amor em tudo, sendo este amor compreendido como doação e serviço recíproco entre o casal. Igualmente na partilha do diálogo e na troca de delicadezas, e de atenções de um para com o outro.
3. No apostolado direto entre casais jovens, oportunizando uma vivência cristã e interpretando na família e no Movimento a palavra de Cristo quando diz: Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles.
4. No aprofundamento da fé e do testemunho cristão, bem como no conhecimento da religião.
5. Na vivência fraternal entre os casais, ensejando a amizade verdadeira e a ajuda mútua, principalmente porque em meio a sociedade em que vivemos, o homem não é respeitado, tornando‐se um objeto. No movimento, o casal encontra um clima de amizade e de amor entre os irmãos, de acordo com a palavra de Cristo? Amai‐vos como eu vos amei.
6. Na defesa da Igreja Católica e no apoio aos sacerdotes e religiosos, de modo especial aos vigários das paróquias onde o Movimento atua, através de grupos de reflexão.
7. Na valorização das datas festivas, como Natal, Páscoa, Dia da Família, Namorados, etc.
8. Na criação e vivência de um ambiente seguro, sereno e sadio aos nossos filhos.
9. Na conscientização de que cada casal integrado ao Movimento deve assumir a tarefa da evangelização, levando a mensagem cristã a outros casais.

O Movimento de Casais Jovens tem consciência de que cada casal, como leigo, está comprometido com a construção do Reino de Deus em sua dimensão temporal e espiritual, contribuindo para a construção da Igreja como comunidade de fé, oração e caridade fraternal, e o faz pela catequese, pela vida sacramental e pela ajuda aos irmãos (Puebla, 628).

O MCJ tem consciência que deve atuar na família, que segundo Puebla, é sujeito e objeto de evangelização, e centro evangelizador da comunhão e participação (Puebla, 417). Por outro lado, o Movimento sabe que faz parte de uma Pastoral de Conjunto, porque é dever da Igreja “Promover e fortalecer os movimentos e outras formas de apostolado familiar, respeitando seus próprios carismas, dentro da Pastoral de Conjunto? (Puebla, 465).

Parte integrante do MCJ são os filhos dos casais, pois os filhos participam com os pais, tanto nos encontros, como nas reuniões semanais. Os filhos acompanham os pais, iniciando no
movimento a sua educação religiosa e sua vivência com Deus e com as demais crianças. A participação dos filhos é uma das características do MCJ, pois o Movimento tem consciência que: “ Um ambiente sadio de união nas famílias é o único lugar de nutrição e fortalecimento físico e mental para os filhos em seus primeiros anos? (Puebla, 434). Igualmente, os casais se esforçam para: Promover no seio da família um profundo espírito de comunhão entre seus membros, com expressões de generoso serviço mútuo e abertura, procurando, assim, a realização da Boa Nova? (Puebla, 453)
Fonte: Jornal Aliança, Junho/10

MCJ em 2012:
192 casais
49 grupos de reflexão

Site: http://movimentodecasaisjovens-nsvp.blogspot.com.br/

Deixe uma resposta